quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

poema das árvores e da aprendizagem

poema das árvores e da aprendizagem

tudo o que as árvores fazem é pensar. ficam generosas à espera de chegar a uma conclusão. e se morrem, não é absoluto que tenham tido resposta. deram sombra, pássaro, fruto e vento, mas podem partir quietas, como quem tomba para dentro de si mesmo, com felicidade pelo que já passou e nenhuma mágoa, só a aceitação sábia do tempo

[pág. 155]

Valter Hugo Mãe. Contabilidade - poesia 1996-2010. Lisboa: Editora Objetiva, 2010. 294 páginas.


Um comentário:

Patrícia Di Carlo disse...

O que a gente pode falar depois de ler isso? nada, é só suspirar, suspirar e... suspirar!!! ;oD

Xerinhos, lindeza!!!