sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

A Chave de Casa



"Escrevo com as mão atadas. Na concretude imóvel do meu quarto, de onde não saio há longo tempo. Escrevo sem poder escrever e, por isso, escrevo. De resto, não saberia o que fazer com este corpo que desde a sua chegada ao mundo não consegue sair do lugar. Porque eu já nasci velha, numa cadeira de rodas, com as pernas enguiçadas, os braços ressequidos. Nasci com cheiro de terra úmida, o bafo de tempos antigos sobre o meu dorso. Falo de um peso que carrego nas costas, um peso que me endurece os ombros e me torce o pescoço, que me deixa dias a fio - às vezes um, dois meses -  com a cabeça na mesma posição. Um peso que não é de todo meu, pois já nasci com ele, como se toda vez em que digo "eu" estivesse dizendo "nós". Falo sempre na companhia desse sopro que me segue desde o primeiro dia.

Um sopro que me paralisa. Uma espécie de fardo. Pesado. Mais do que isso: bruto, acimentado, capaz de me tirar todas as possibilidades de movimento, amarrando as articulações uma à outra, colando todos os espaços vazios do meu corpo. Não que eu seja uma pessoa triste. Não se trata de ser ou não ser feliz, mas de uma herança que trago comigo e da qual quero me livrar. Nem que para isso tenha de correr riscos sem medida, nem que para isso tenha de me desfazer de tudo o que construí até hoje, de tudo o que acreditei ser a minha vida. Estou num ponto em que preciso mudar a direção do barco, ou então serei capturada pelo olhar de Medusa e me tornarei pedra, lançada ao mar. 

No entanto, as palavras ainda me escapam, a história ainda não existe. Enquanto os músculos pesam e permanecem, o sentido se esvai. Quem sabe aos poucos, quando conseguir dar os primeiros passos, quando conseguir me libertar do fardo, não consiga também dar nome às coisas? E por isso, só por isso escrevo."

Tatiana Salem Levy, na primeira página do livro "A Chave de Casa". Livro que te conquista na primeira página, como eu costumo dizer.

4 comentários:

Tati disse...

Eu amei esse livro Pipa! A forma como ela descreve a relação dela com a mãe é muito visceral!
Beijo!

Alexandre Kovacs disse...

Um romance de estreia sensacional. Gostei muito!

Raquel disse...

Esse livro me envolveu de uma forma irresistível! Tenho resenha dele no meu blog. Amei a sua casinha!:-) beijos

http://dedosinquietantes.com.br/

Patrícia Di Carlo disse...

Olha outro doído aí que eu quero... rs

Xêros!