quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Histórias da Velha Totônia


Para dar início ao Projeto José Lins, decidi começar pela leitura de seu livro infantil "Histórias da Velha Totônia", que foi escrito em 1936 e, por ordem cronológica de publicação, deveria ser o quinto livro a ser lido. No entanto, por ser destinado ao público infantil, optei por começar o projeto com ele e, na sequência, ler os 12 romances escritos por José Lins, que publicou praticamente um livro por ano desde 1932.

José Lins dedicou seu livro infantil para suas filhas, mas também para "os meninos do Brasil" dizendo: "quisera que todos eles me ouvissem com a ansiedade e o prazer com que eu escutava a velha Totônia do meu engenho". Um traço muito característico da escrita de José Lins é a memória. Todas as histórias que ele recriou em seus romances foram fruto de suas memórias de infância no engenho do avô. E é através das histórias desse livro que José Lins tenta compartilhar com as crianças o prazer que sentia sempre que esperava ansiosamente para ouvir a velha Totônia, "que era bem velha e bem magra", e que visitava o engenho e alegrava as crianças com suas histórias. Esse livro não deixa de ser também uma homenagem a todas as contadoras de histórias que alimentaram e alimentam a imaginação de milhares de crianças Brasil afora.

Nas quatro histórias reunidas nesse livro (O macaco mágico, A cobra que era uma princesa, O príncipe pequeno, O sargento verde), está presente a temática tradicional dos contos de fadas, com a luta entre o bem e o mal, sendo que o bem sempre vence. Há também um pouco de magia, com personagens encantadas que vencerão porque são bons. É possível identificar traços de histórias da tradição oral europeia em cada uma das histórias, que aqui tem ambientação brasileira e são contadas numa linguagem coloquial, cheia de regionalismos, característica da escrita de José Lins. A edição conta também com ilustrações de Tomás Santa Rosa, que ilustrou a primeira edição dos seus livros.

Foi gostoso descobrir essas histórias e gostei principalmente porque todas elas tem uma lição que valoriza a bondade, a gratidão, o ajudar o próximo, deixando um bom ensinamento para as crianças. E eu, que adorava os contos de fadas quando era criança, só lamentei não ter lido as histórias da velha Totônia quando era menina.

José Lins do Rego. Histórias da Velha Totônia. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010. 32ª edição.


2 comentários:

Patrícia Di Carlo disse...

Pronto, agora tenho que colocar mais um à minha meta de leitura... Já começou o ano bem, né, Dª Pipa, me intigando!!! Adorei!! ;oD

Xerinhos, lindeza!

Pipa disse...

Estou adorando meu projeto José Lins :)

beijo!

Pipa