terça-feira, 10 de setembro de 2013

A Contadora de Filmes


A Contadora de Filmes, do escritor chileno Hernán Rivera Letelier, foi uma daquelas pequenas grandes descobertas. Em uma edição linda da Cosac Naify (2012), o livro é uma ode ao poder mágico de contar histórias e ao cinema.

A história se passa em um povoado onde seus habitantes, os trabalhadores das minas de sal, viviam uma vida difícil, sem ter dinheiro suficiente, e sua única diversão era ver os filmes exibidos no cinema local, que ainda assim era muito caro para alguns. No livro, a magia e o fascínio que o cinema exercia na época, influenciando a vida das pessoas já que não existia televisão, são contados com uma certa dose de saudosismo e nostalgia que os amantes da sétima arte sem dúvida vão gostar.

A protagonista da história é a menina Maria Margarita, única mulher em uma família de três irmãos. A mãe abandonou a família quando o pai ficou paralítico por conta de um acidente. Como todos da região, Maria Margarita espera ansiosamente pela estréia do novo filme no cinema local. O cinema aqui aparece como uma realidade de sonho e fantasia, que transporta as pessoas, mesmo que por algumas horas, da dura realidade em que viviam. Mas o dinheiro é pouco para que todos os membros da família possam ir ao cinema. É quando o pai decide decide criar uma competição entre os irmãos para descobrir que será o melhor contador de filmes que irá ao cinema ver os novos filmes e voltar para casa para contar as histórias para a família. É assim que Maria Margarita se transformará na contadora de filmes e vai mudar sua vida para sempre.

Extremamente comovente e terno, o livro é uma homenagem ao cinema e à arte perdida de contar histórias. Ao poder que a imaginação tem de nos transportar para uma realidade menos sofrida.

Não posso deixar de comentar que as páginas do livro  são diagramadas como retângulos brancos sob um fundo preto, que nos transportam para a tela em branco no escuro de uma sala de cinema. Esses detalhes tão cuidadosos que sempre vemos nas edições da Cosac e que são sempre um elemento a mais durante a leitura.

Hernán Rivera Letelier. A Contadora de Filmes.São Paulo: Cosac Naify, 2012. 112 páginas. Tradução: Eric Nepomuceno.


6 comentários:

lualimaverde disse...

Pipa, esse eu li ano passado, gostei bastante também, estou ansiosa pelo filme, mas não vi mais notícias sobre ele, espero que não tenham desistido de fazer.
Beijinhos! Adorei o blog, não conhecia ainda. =)

Pipa disse...

Oi, Lua!

Também adorei esse livro e tenho esperanças de que muito em breve vejamos o filme! :)
Obrigada pela visita!

beijos,

Pipa

mmamarelo disse...

Esse é o tipo de livro que eu coloco na minha "listinha de compras", mas, por alguma razão, nunca aconteceu. Mas sempre que ouço falar dele, e sempre são coisas boas, fico com aquela coceirinha para comprar.
E as edições da Cosac são lindas mesmo, eu namoro o "Alice", traduzido pelo Sevcenko, que é lindo de morrer. Mas como é um livro que já tenho e já li, sempre deixo para depois :(
Bjs
Maira

Pipa disse...

Oi, Maira!

Eu entendo como é isso da listinha de compras. Mas com esse livro aconteceu diferente comigo: vi na livraria, me apaixonei pela capa e pelo que li ali, comprei sem nada saber do autor e não me arrependi.Pensando bem aqui agora acho que eu compro muito por impulso rsrsr

beijos,
Pipa

Michelle disse...

Como não gostar de um livro que fala sobre cinema? Desde que vi esse livro pela primeira vez, fiquei louca para ler. Ainda estou em busca de uma promo, mas pretendo conhecer essa história em breve.
Bjo

Pipa disse...

Vamos torcer para que ele em promoção logo, Michelle! :) É muito doce esse livro.
Obrigada pela visita ao blog!
beijos,
Pipa