sábado, 26 de julho de 2014

Os livros que devoraram meu pai

Ah, os livros que falam do amor aos livros! Será que é possível lê-los sem se apaixonar? A resposta é não se ele for escrito com a ternura que encontramos nas palavras de Afonso Cruz. Os livros que devoraram meu pai é um livro infanto-juvenil, mas os adultos que se permitem a liberdade de ler o que o coração sente vontade de ler e mergulharem nessas páginas, certamente terão que disfarçar um pouco no final da leitura por conta dos olhos marejados. É um livro doce que fala com encantamento sobre a leitura e as infinitas viagens que os livros nos proporcionam. É um livro excelente para ensinar aos pequenos (e também aos não tão pequenos assim) que a paixão pela leitura pode ser aprendida em casa, com os pais, com os avós, com quem gosta de ler. E esta é provavelmente a melhor herança que podemos deixar.

O enredo conta a história de Elias Bonfim, um menino que perdeu o pai muito cedo e, segundo lhe contaram, vítima de um enfarte. Vivaldo Bonfim, pai de Elias, era um homem apaixonado por livros, que gostava muito de ler. Vivaldo trabalhava em uma repartição pública  e fazia todo o possível para aproveitar cada minuto do dia e ler, mesmo que para isso deixasse o trabalho um pouco de lado. Vivaldo tinha no sótão da sua casa uma biblioteca com muitos livros. Desde sua morte que o sótão ficou fechado, à espera do dia em que Elias estivesse preparado para se aventurar pelas muitas páginas de viagens e de sonho, e também de aproximação com o pai, que o esperavam. A avó de Elias lhe dá a chave do sótão quando sente que chegou o momento e Elias se encanta pela leitura, mas começa a desconfiar que seu pai não morreu como haviam lhe dito, e sim que ele havia desaparecido em um daqueles livros. Elias começa então a ler um livro atrás do outro, na tentativa de reencontrar seu pai. E a cada livro que Elias tira da estante para dar mais um passo em busca de encontrá-lo, mais a gente fica com vontade de ler os livros que o Afonso Cruz sabiamente colocou ali na história, despertando o nosso desejo de ler. Porque um bom livro sempre nos leva a muitos outros. São grandes clássicos da literatura universal que nos levam a outro e a mais outro, com a mesma simplicidade com que nós, leitores, geralmente falamos dos livros de que gostamos para um amigo, tornando-os acessíveis. E assim despertando nele o desejo de ler.
Estou certa de que muitos vão se reconhecer nessa história, independente da idade. "Porque um homem é feito de histórias". E que bom que são de histórias bonitas assim.

Afonso Cruz. Os livros que devoraram meu pai: a estranha e mágica história de Vivaldo Bonfim. São Paulo: Leya, 2011. 112 páginas.

5 comentários:

lulunettes disse...

Do Afonso Cruz só li O Cultivo de Flores de Plástico <3 E tenho bastante interesse em ler Os Livros que Devoraram o meu Pai ^_^
“É um livro doce que fala com encantamento sobre a leitura e as infinitas viagens que os livros nos proporcionam.” *________* Lindo!
Beijos, Pipa!

Pipa disse...

Lulu, onde você conseguiu O Cultivo de Flores de Plástico? Tô desesperada atrás desse livro! :)
Acho que você vai gostar muito de Os livros que devoraram meu pai, é bem fofinho.

beijo,
Pipa

lulunettes disse...

Pipa, lembra daquela promoção da wook.pt com frete grátis para o Brasil ano passado?! Pois é, consegui comprar nessa época. Bjs!

Maura C. Parvatis disse...

Pipa, ah... esse livro!!! Estou pensando seriamente em relê-lo desde semana passada (acho que vou fazer isso hoje *.*)
Respondendo sua pergunta... Eu acho impossível ler "livros que falam do amor aos livros" sem me apaixonar por eles.
Gostei bastante de "Os livros que devoraram meu pai" <3

Beijos!

Joana Martins disse...

Olá Pipa! Qual é a mensagem que o livro transmite?