sexta-feira, 8 de julho de 2011

Ready to go.

A mala está pronta. O coração está ansioso. O corpo está exausto dessa semana punk. A sexta feira foi como entrar em uma batalha sem saber que era batalha, sem nenhuma arma na mão. Isso cansa qualquer coração.
Mas amanhã é dia esperado, desejado, contado nos dedinhos da mão. Que seja doce.

"Então, que seja doce. Repito todas as manhãs, ao abrir as janelas para deixar entrar o sol ou o cinza dos dias, bem assim: que seja doce. Quando há sol, e esse sol bate na minha cara amassada do sono ou da insônia, contemplando as partículas de poeira soltas no ar, feito um pequeno universo, repito sete vezes para dar sorte: que seja doce que seja doce que seja doce e assim por diante.
Mas, se alguém me perguntasse o que deverá ser doce, talvez não saiba responder. Tudo é tão vago como se não fosse nada."

Caio Fernando Abreu. (Os dragões não conhecem o paraíso)

E hoje vi essa frase em um dos novos blogs que apareceram por aqui, e achei perfeita pra hoje, aliás, para sempre:

...que mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista, nem de sonho, a idéia da alegria. Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz. (Caio F. Abreu)

2 comentários:

Lia disse...

que lindo, Pipa!
voa querida, voa!
*=

Velho Santiago disse...

Pipa, conheço apenas o filme do Fahrenheit 451. Como o voo é pra Londres, nada mais contextualizador do que um livro no qual foi baseado um filme inglês. Entretanto, cheguei atrasado (já não caminho com tanta tenascidade) e já lhe indicaram outro livro. De qualquer forma, espero que goste (e intimamente espero que vá contra o indicado). Seja como for, eu já não sei de mais nada. Bons ventos!